O que a “teimosia” tem a nos ensinar sobre inovação